:.: Dá pra entender a preocupação de alguns profissionais diante do que consideram um ameaçador avanço da tecnologia. Os taquígrafos, ou os estenógrafos, por exemplo. Já pensou se inventassem um software que convertesse automaticamente um discurso, ou um texto falado qualquer, em texto escrito? Pois é. Inventaram.

:.: O ROSIDS (Rapid Open Source Intelligence Deployment System) promete fazer isso, e em vários idiomas (árabe, inglês, francês, alemão, espanhol, polonês e grego), mas ainda não em português.

:.: Desenvolvido com propósitos militares, o ROSIDS (vi nota na Info) está sendo lançado comercialmente com o apelo de criar legendas automáticas para transmissões de TV e rádio. Ou seja: você pode assistir à programação da Al Jazeera, a CNN do mundo árabe, com a programação original, lendo as legendas no idioma que escolher. Ou ouvir uma rádio da Grécia, vendo as legendas em display próprio pra isso.

:.: Mas a proposta vai além. Seria possível identificar o gênero (masculino ou feminino) a partir da voz. Agrupar as falas de uma mesma pessoa durante um determinado tempo de transmissão. Fazer a identificação da voz. E fazer indexações automáticas. O que pode ser um grande avanço na busca de arquivos audiovisuais.

:.: Pense que um evento qualquer, em áudio ou vídeo, hoje depende de alguém estabelecer as palavras-chave que serão usadas para que seja localizado em uma busca. Se um software pode reconhecer a voz, e indexar de várias maneiras, vai ficar muito mais fácil arquivar arquivos de áudio e vídeo e – importante – pesquisar e recuperar essas informações.

:.: Um discurso específico em uma sessão plenária da Câmara ou do Senado, por exemplo. Ou ainda, todos os discursos de um Senador ou Deputado específico. Ou todas as falas de uma determinada pessoa dentre várias entrevistas. Ou as músicas de um determinado cantor em um universo de músicas não catalogadas. Ou… Ou… as possibilidades são inúmeras….